Para ler:

A Invenção de Hugo Cabret

A invenção de Hugo Cabret

Texto e ilustrações de Brian Selznick, que inspiraram o belo filme de Martin Scorsese. Totalmente recomendado, não foi à toa que virou filme. Os desenhos, maravilhosos, não são apenas ilustração, mas compõem a narrativa. Fantástico para quem gosta das letras e para quem gosta das imagens. É um bom presente para qualquer idade.

A invenção de Hugo Cabret, de Brian Selznick

Para ouvir:

Sortimento

Difícil afirmar isso, principalmente pra uma fã tão incondicional como eu, mas tenho considerado muito a possibilidade de encarar o Sortimento como o melhor disco da Zélia Duncan. Diria que é um dos discos obrigatórios de quem gosta da “nova” música brasileira.

Para ver:

Ponte para Terabitia

ponte-para-terabitia-poster01

É um belo filme. Aos que dizem que não é para crianças, acho que posso dizer que as crianças que eu vi assistirem gostaram tanto, que repetem seguidas vezes. Um filme sobre amizade, sobre amor e sobre como dar a volta por cima.

Ponte para Terabítia

(Quase) Um apelo

18 de setembro de 2013

Aos que eu amo, amei, e aos que me amam (ou apenas gostam de mim, em qualquer grau)

Primeiro, se eu morrer cedo, não fiquem com pena. Os que me conhecem um pouco mais a fundo sabem que eu não acredito na morte. Lembrem-se disso. Lembrem-se de que estarei em algum lugar, talvez distante, talvez próximo, mas principalmente que eu continuarei vivendo. Mais livre, em alguns aspectos, e em outros, mais prisioneira de meus inúmeros defeitos. Mas, de qualquer forma, ainda viva.

Segundo, se eu ficar doente, se for grave, não tenham dó. Tristeza vale, mas pena, não. Tudo que eu sofrer no corpo é consequência do que eu fiz em algum momento. Então, por favor, me ajudem a lutar, não me deixem desistir, nem me abater pela dor. Mas não fiquem com pena de mim.

E, finalmente, se eu envelhecer, mas ficar com alguma demência, não puder me comunicar claramente, se eu perder a consciência de quem eu sou, lembrem-se de quem eu fui quando era saudável. Lembrem-se, e me ajudem a me lembrar, com suas preces, de que meu espírito ainda estará lá, e que tudo que eu passar sempre servirá para que eu aprenda cada dia um pouco mais.

Por umaborboleta em Sem categoria | 2 Comentários »

2 comentários para “(Quase) Um apelo”

  1. Tatiana disse:

    Eu vou estar sempre com você, e ajuda e prece, tá bom? E, pretos pros meus, faço minhas as suas palavras.

  2. umaborboleta disse:

Deixe um comentário


© Vanessa Pacheco, Brasília, 2000
Atualizado com o WordPress
Feito pelo Zamorim