Para ler:

A Invenção de Hugo Cabret

A invenção de Hugo Cabret

Texto e ilustrações de Brian Selznick, que inspiraram o belo filme de Martin Scorsese. Totalmente recomendado, não foi à toa que virou filme. Os desenhos, maravilhosos, não são apenas ilustração, mas compõem a narrativa. Fantástico para quem gosta das letras e para quem gosta das imagens. É um bom presente para qualquer idade.

A invenção de Hugo Cabret, de Brian Selznick

Para ouvir:

Sortimento

Difícil afirmar isso, principalmente pra uma fã tão incondicional como eu, mas tenho considerado muito a possibilidade de encarar o Sortimento como o melhor disco da Zélia Duncan. Diria que é um dos discos obrigatórios de quem gosta da “nova” música brasileira.

Para ver:

Ponte para Terabitia

ponte-para-terabitia-poster01

É um belo filme. Aos que dizem que não é para crianças, acho que posso dizer que as crianças que eu vi assistirem gostaram tanto, que repetem seguidas vezes. Um filme sobre amizade, sobre amor e sobre como dar a volta por cima.

Ponte para Terabítia

O meu destino é querer sempre mais

6 de junho de 2013

Ouvir músicas e fazer associações é inevitável. Eu ouço música o dia inteiro, e elas me impregnam de pensamentos e ideias que eu não pretendia ter em determinados momentos. Mas aí, ontem, uma canção linda que conheci na juventude da SEAE, A Força do Bem, contaminou meu cérebro. Foi bom. Pensamentos otimistas, sobre a força do bem, não são nenhum verme desprezível. Dormi pensando nela, acordei pensando nela. E pensando no bem. E fiquei cantando o tempo todo em que não estava conversando com ninguém. Espero que ninguém se aborreça com isso. É possível que me julguem louca, mas não sou do tipo de me importar tanto com julgamentos. (Ou pelo menos não qualquer julgamento.)

E hoje meu pensamento foi: “o meu destino é querer sempre mais” (Marisa Monte, Bem que se quis). Sempre, cada vez mais, o bem. Em cada um e em todo lugar.

Isso me lembra sempre o Alucinações Musicais, do Oliver Sacks, sobre o qual já falei aqui, acho. Um livro que acabei não terminando de ler, porque dei para um amigo que é músico dos bons. (Será que ele leu? Será que gostou? Nunca perguntei.)

Por umaborboleta em Sem categoria | 1 Comentário »

Um comentário para “O meu destino é querer sempre mais”

  1. Tatiana disse:

    Esse negócio de ouvir músicas “do bem” faz uma diferença danada. São as tais graciosas vibrações que dão nome ao CD da Claudinha e do Euclides. Dormir e acordar com elas, estar com elas na mente ajudam tanto! Vale a pena.
    E quem foi o amigo que ganhou o livro?

Deixe um comentário


© Vanessa Pacheco, Brasília, 2000
Atualizado com o WordPress
Feito pelo Zamorim